segunda-feira, 11 de junho de 2012

Algo pra te inspirar...

1000 dias com ele

 Autoria:Clarissa Correa
 Uma vez me falaram que amar é se jogar de um precipício sem saber se lá embaixo vai ter alguém para segurar a gente.
 Foi a melhor definição de amor que já ouvi.
 Eu, que escrevo tanto e leio tanta gente que fala dessas coisas que damos o nome de sentimento, nunca tinha escutado nada tão verdadeiro.
 Amar é isso mesmo.
 É se jogar e não saber.
 É se entregar sem ter certeza.
Aos poucos, buscamos a certeza do amor.
 Porque o amor para ser amor precisa de certezas.
 A certeza do encontro, a certeza da continuidade, a certeza da presença, a certeza da verdade.
 Demorei muito para me permitir.
 Me distraí durante muito tempo com paixões que não duravam mais que a lua minguante.
 Por algum tempo vivi uma relação extremamente conturbada e complicada.
 Na verdade, não sei se posso chamar de "relação".
 Era alguma coisa sem nome.
 Aquilo não me deixava em paz, me fazia mais mal do que bem, mas de alguma maneira eu continuava.
 Não entendo, a gente se boicota tanto.
 Sabemos que queremos e merecemos mais, mas continuamos insistindo em coisas sem sentido.
 Punição? Talvez.
 A gente demora para se permitir ser feliz.
 Deve ser por isso que as pessoas ficam tateando no escuro durante muito tempo até encontrarem a tal  pessoa certa.
 Não sei se existe a pessoa certa, sei que existe uma pessoa certa para você.
 Essa pessoa, por mais errada que seja, é aquela que te dá vontade de continuar.
 Continuar lutando, vivendo, acordando, sorrindo.
Tem gente que nos dá essa vontade, aquela vontade de ser melhor para a gente mesmo e para quem nos   rodeia.
 Mas eu não queria, não me permitia, achava que daquele jeito estava bom.
 Às vezes, não sou legal comigo, você não é legal com você.
 Cegos, não conseguimos enxergar.
 Confusos, não sabemos o que fazer.
 Covardes, não nos damos uma chance.
 Carentes, nos agarramos na primeira oportunidade.
 A carência nos tira a visão.
 A falta de visão nos emburrece.
 E assim vamos vivendo um dia após o outro, com um vazio que nunca sai de dentro e um olhar que procura  e nunca acha.
 Todo mundo tem que amar alguém um dia.
 Não tem como definir, é uma coisa muito louca e real.
 Um dia, com o coração cansado, decidi que só queria coisas boas.
 Sem migalhas, sem mentiras, sem máscaras.
 Para amar a gente tem que se despir de todos os artifícios.
 Então, resolvi ser mais amiga de mim.
 Aproveitar a minha companhia, me curtir, só procurar o que me fazia bem.
 Foi aí que, sem querer querendo, a gente apareceu um na vida do outro.
 Me deu um medo, um medo.
Você sabe, eu sei.
Queria fugir, sair correndo, desistir.
Tentei de todas as formas (até bem pouco tempo atrás) encontrar motivos, fiapinhos do passado e farpas imaginárias para provar que não daria certo.
Mais uma vez eu insisto: ser feliz dá medo e é muita responsabilidade.
Fora o fato da gente não se sentir merecedor.
Fora o fato de pensar meu-deus-tá-tudo-bem-tudo-perfeito-na-minha-vida-é-certo-que-vou-descobrir-um-câncer.
A gente sempre pensa besteira por achar que não merece aquilo tudo.
Foi tudo em vão. Dia após dia o mundo, Deus, a vida, as coincidências, o destino ou sei lá, chame como você quiser, me mostraram que, sim, a gente tem um amor bonito e de verdade.
Que já passou por turbulências, furacões, que de vez em quando recebe tempestades e trovões, mas que sempre dá um jeito de deixar o céu azul e o sol brilhando.
Porque a gente gosta do tempo bom.
A gente tem uma história que é só nossa, um amor que é só nosso, uma vida que é só nossa, uma família que é só nossa.
Tudo nosso.
E com você eu descobri que sempre posso ir mais além.
Você me mostra umas partes que eu não conhecia. Me mostra uma força que eu não sabia que tinha.
Um jeito maduro e ao mesmo tempo infantil de continuar vendo a vida.
Me desarma com tanto bom humor.
Me mostra coisas que não sabia.
Me puxa para a realidade, pois nem só de sonho se vive.
Existe uma troca bonita e, hoje, mais madura. É que já faz mil dias, amor.
Mil dias que a gente se encontrou e nunca mais saiu de perto um do outro.
Mil dias que ouvi o que você disse e me atirei do precipício.
Ainda bem que a gente se jogou. Ainda bem que você esperou por mim. E eu por você.

 http://www.clarissacorrea.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário